Inspeção & Substituição

Inspeção

 

Inspeção frequente

 

       Todos os cabos devem ser inspecionados visualmente pelo operador ou outra pessoa

       responsável, no início de cada turno de trabalho. A observação visual tem por objetivo

       detectar danos no cabo de aço que possam causar riscos durante o uso:

 

       Distorções no cabo, tais como: dobras, amassamentos, alongamento do passo, gaiola de passarinho, perna fora de posição ou alma saltada;

 

       Corrosão em geral;

 

       Pernas rompidas ou cortadas;

 

       Número, distribuição e tipo de ruptura dos arames visíveis.

No caso de se detectar um dano no cabo de aço, o mesmo deverá ser retirado de serviço ou submetido a uma inspeção por uma pessoa qualificada.

Inspeção periódica

 

              A frequência das inspeções deve ser determinada por uma pessoa qualificada e deve estar baseada em fatores tais como: a expectativa de vida do cabo determinada pela experiência anterior ou em instalações similares, agressividade do meio ambiente, relação entre a carga usual de trabalho e a capacidade máxima do equipamento, frequência de operações e exposição a trancos. As inspeções não precisam necessariamente ser realizadas em intervalos iguais, e devem ser mais frequentes quando se aproxima o final da vida útil do cabo de aço.

 

              As inspeções periódicas devem ser realizadas por uma pessoa qualificada. Esta inspeção deve abranger o comprimento total do cabo. Os arames externos das pernas devem estar visíveis ao inspetor durante a inspeção. Qualquer dano no cabo que resulte em perda significativa da resistência original, deverá ser registrado e considerado o risco implicado na continuidade do uso do cabo, tais como:

 

 

 

 

Todos os itens listados na inspeção frequente;

 

· Redução do diâmetro do cabo abaixo do seu diâmetro nominal, devido a deterioração da alma, corrosão interna/externa ou desgaste dos arames externos;

 

· Corrosão acentuada ou arames rompidos junto aos terminais;

 

· Terminal mal instalados, desgastados, tortos, trincados ou com corrosão;

 

· Devem ser tomados cuidados especiais, para se inspecionar trechos do cabo que possam sofrer deterioração muito rápida, conforme segue:

 

· Trechos em contato com selas de apoio, polias equalizadoras ou outras polias onde o percurso do cabo é limitado;

 

· Trechos do cabo junto ou próximo aos terminais onde podem aparecer arames oxidados ou rompidos;

 

· Trechos sujeitos a flexões alternadas;

 

· Trechos do cabo que normalmente ficam escondidos durante a inspeção visual, tais como as partes que ficam sobre as polias.

Para que se possa ter dados para decidir o momento adequado da substituição de um cabo de aço, deve ser mantido um registro de toda inspeção realizada. Neste registro deverão constar os pontos de deterioração listados anteriormente.

Substituição

 

Não existe uma regra precisa para se determinar o momento exato da substituição de um cabo de aço, uma vez que, diversos fatores estão envolvidos. A possibilidade de um cabo permanecer em uso, dependerá do julgamento de uma pessoa qualificada. Deverá ser avaliada  a resistência remanescente do cabo usado, em função da deterioração detectada pela inspeção. A continuidade da operação do cabo dependerá a sua resistência remanescente.

 

As condições listadas a seguir são razões suficientes para se condenar o uso de um cabo, ou para se aumentar a frequência das inspeções.

 

Os arames rompidos visíveis no trecho mais prejudicado atingirem os seguintes limites;

 

10 fios rompidos em um passo.

05 fios rompidos em uma única perna.

 

Aparecer corrosão acentuada;

 

Os arames externos se desgastarem mais do que 1/3 de seu diâmetro original;

 

Diâmetro do cabo diminuir mais do que 5% em relação ao seu diâmetro nominal;

 

Aparecerem sinais de danos por alta temperatura no cabo;

 


Aparecer qualquer distorção no cabo (como dobra, amassamento ou gaiola de passarinho);

Deve ser dada atenção especial para os terminais. O cabo deve ser ressoquetado ou substituído quando houver dois arames rompidos próximo ao soquete.

 

Quando ocorrer a substituição, o novo cabo e o novo terminal, deverão ter uma resistência no mínimo igual ao original do equipamento. Qualquer mudança de diâmetro, resistência ou construção deve ser previamente especificada pelo fabricante do cabo, do equipamento ou uma pessoa qualificada.